terça-feira, 25 de janeiro de 2011

- As Cadeias Musculares !

- As Cadeias Musculares definem de uma maneira mais racional a biomecânica do corpo humano. Lembro-me que na graduação o raciocínio durante as explanações de tratamentos fisioterapêuticos eram muito segmentados, sem uma observação mais global. Daí, vem sempre uma pergunta ! Será que para nós enquanto alunos não teríamos naquele momento condição de entender essa interpretação corporal, ou será que as graduações é que ainda não estão prontas para nos fazer pensar? Com certeza muitas respostas e muita polêmica (acredito), pois com o crescimento da fisioterapia a passos largos não podemos ficar na "roda de ombro" e na "escada de dedos"! Bem, abaixo vou falar um pouquinho de cadeias musculares!

- Françoise Mézières conceituou Cadeias Musculares em 1947 assim:
 
“É um conjunto de músculos de mesma direção e sentido que trabalham como um só músculo. São geralmente poliarticulares e se recobrem como as telhas de um telhado.”
 
- Três Leis regem as cadeias musculares:
- 1ª Lei: "toda tentativa de correção local irá gerar uma compensação a distância";
- 2ª Lei: "toda tentativa de tensionamento de uma cadeia muscular resulta em uma tendência em rotação interna dos membros;
- 3ª Lei: "toda tentativa de tensionamento de uma cadeia muscular leva a uma tendência de bloqueio respiratório em apnéia respiratória".
 
- As Cadeias Musculares apresentam também aspectos psicocomportamentais, segundo Godelieve Denis Struyf. Ela afirmava que  
 
“O indivíduo se estrutura sobre sua história de vida. As cadeias musculares irão moldar o indivíduo de acordo com suas necessidades de expressão corporal. "
Godelieve D. Struyf
Outras afirmações do GDS:
“ Que tipo de corpo possuímos? Qual é verdadeiramente, o desenho que ele apresenta, enquanto somatória de nossas escolhas comportamentais e também face às imposições ditadas por circunstâncias exteriores?”
 
A linguagem do corpo revela muito sobre quem somos, muitas vezes mais que a linguagem pode revelar.

As Marcas do Corpo!
- A partir de um comportamento preferencial e repetitivo, o corpo torna-se portador de certas “marcas”. Isso acontece com mais intensidade, quando a manifestação de um comportamento é contida por qualquer razão de natureza social. O corpo também mostra, àquele que se dispõe a fazer uma leitura dele, índices reveladores de certas predisposições. A prevenção, e não somente a terapia, torna-se possível.
- A partir de elementos percebidos e elementos interiores vividos, utilizamos nosso corpo para exprimir através de nossas posturas, gestos e mímicas, (ou seja, através de nossos músculos) aquilo que pensamos e sentimos. Mesmo quando a expressão é inibida, o sistema neuro-muscular é ativado da cabeça até as mãos e aos pés. Pensamentos e emoções põem em atividade grupos musculares que colocam todos os segmentos do corpo em estado de prontidão, tanto para a expressão como para a ação.
- A tensão aumenta nesses grupos musculares. Por sua vez o sistema muscular mobiliza, ou fica pronto a mobilizar, a estrutura óssea, tracionando as aponevroses e instalando – sobretudo quando a ação é inibida – linhas de tensão ao longo do corpo. Essas linhas de tensão são definidas pelo termo Cadeias Aponevróticas. A repetição da mesma “atitude” neuro-muscular acaba deixando no corpo certas “marcas”.
 
As cadeias musculares é um assunto muito extenso, em próximas postagens abordarei aspectos relacionados aos desequilíbrios musculares e articulares em cadeia, e falarei sobre a visão de outros autores como Busquet, Rolfing, Myers, Souchard, etc...
 
Até a próxima post!!! Up Fisio!!!

3 comentários:

  1. muito interessante isso.
    to terminando o curso de Rpg agora em maio .

    e me apaixonei pela biomecanica. preciso de uns artigos ou manobras de Mobilização neural e sei que você entende disso muito bem quem sabe num proximo capitulo ou Post você possa fazer??

    ResponderExcluir
  2. Obrigado! Realmente em breve abordarei sobre a Mobilização neural... Grande abraço!

    ResponderExcluir