quarta-feira, 25 de maio de 2011

- Esclerose Múltipla ! Saiba como funciona !

- Olá pessoal ! Hoje vamos falar um pouco sobre a Esclerose Múltipla. Hoje que é o dia da Esclerose Múltipla, quero começar essa post com uma parte da matéria da atriz Claudia Rodrigues, que luta bravamente contra a doença!



Em abril, após dois anos longe da TV, Claudia Rodrigues (40), uma das comediantes de maior sucesso de sua geração, voltou ao ar como Ofélia do Zorra Total. O afastamento havia ocorrido devido à esclerose múltipla, doença incurável do sistema nervoso central, que afeta a fala, a memória e a coordenação motora. Claudia vinha se dedicando ao programa A Diarista, que estava previsto para voltar ao ar, quando, em maio de 2009, o problema voltou a se manifestar e as gravações foram canceladas. Ficou dez dias internada no Hospital Albert Einstein, em SP. Desde então, passou a viver meio reclusa, o que gerou preocupação entre fãs e amigos. Ela tem permanecido a maior parte do tempo em seu apartamento, na Gávea, Rio. Ao lado da filha, Iza (9), e da mãe, Regina Rodrigues (67), que mora no mesmo bairro, Claudia recebeu CARAS. Ela, que tem uma prima que sofre da mesma doença, falou de seu drama e deu lição de fé. "As pessoas me falam que sou exemplo, que se estão bem, é por minha causa. Fico feliz de poder ajudar. Digo a todos que devem ter um bom médico, não se abater, nem desesperar, ter perseverança e otimismo", contou ela, que descobriu ter a doença em 2000.

Para a matéria completa clique sobre o link http://www.caras.com.br/edicoes/916/textos/30695/?utm_source=google&utm_medium=banner&utm_campaign=Home

Agora vamos entender um pouco mais sobre a EM:


Esclerose Múltipla – Aspectos Gerais

Anualmente, tem-se realizado muitas pesquisas na tentativa de descobrir qual seria a possível causa da esclerose múltipla, sendo que até hoje não existe a confirmação da sua etiologia.
É a principal causa de incapacidade neurológica em adultos jovens e de meia idade e, portanto, é uma patologia de importância inigualável.
Seu curso pode variar de um simples déficit neurológico transitório até, na forma mais grave, óbito em poucas semanas ou meses.
Sabe-se que é uma patologia crônica que ocasiona pequenas inflamações localizadas em diversos lugares dentro do sistema nervoso central, que podem deixar cicatrizes chamadas lesões ou placas (esclerose) na mielina.
Às vezes, estas inflamações são acompanhadas de sinais e sintomas tais como: alterações visuais, perda de força e/ou sensibilidade em uma parte do corpo, tremor e problemas no controle urinário que denominam-se exarcebações ou comumente surtos.


A esclerose múltipla é definida como uma doença neurológica crônica, que se caracteriza como uma lesão do sistema nervoso central, usualmente progressiva e que não tem cura.
É conhecida também como esclerose em placas ou doença desmielinizante, pois transforma em placa endurecida a mielina que recobre e isola as fibras nervosas destinadas aos impulsos do cérebro, ao nervo óptico e à medula espinhal, dificultando assim o controle de várias funções orgânicas, tais como visão, o andar e o falar, entre várias outras funções fisiológicas.
Na esclerose múltipla ainda não se sabe o porquê a mielina é lesada, passando por um processo de desmielinização, o que se sabe é, que a lesão fundamental evolui em duas etapas: uma desmielinização inicial que poderá ser total ou parcialmente reversível ou, uma esclerose irreversível tardia.

O início da esclerose múltipla se dá entre os 20 e 45 anos de idade em 2/3 dos casos, sendo rara antes da puberdade e em casos com mais de 55 anos. Desenvolve-se mais em mulheres do que em homens cerca de 3:2.

Várias hipóteses e fatores são estudados na tentativa de explicar o aparecimento da doença, no entanto, o que se tem como certo é a existência de um defeito imunológico. Os possíveis fatores e hipóteses que poderiam explicar o aparecimento da doença são:

1- fatores Ambientais: devido ao aparecimento maior de casos em áreas temperadas em relação a áreas tropicais;

2- fatores Genéticos: presença de um fator genético que seria responsável por uma ligação com a transmissão familiar da doença (antígenos de histocompatibilidade);

3- aspectos da Hipótese Virótica - estudos sobre o possível papel da Herpes Humana Vírus tipo 6 (HHV-6) na esclerose múltipla onde o vírus entraria no SNC depois de uma infecção na infância (Roseóla), e então, talvez em pessoas com predisposição genética, o vírus seria reativado na idade adulta, fazendo com que o sistema imunológico do indivíduo destrua a mielina do próprio corpo.

4- Aspectos da Hipótese Imunológica - uma anormalidade do sistema imunológico poderia permitir que determinados vírus, direta ou indiretamente, atuem como desencadeadores do processo desmielinizante.
4- Aspectos da Hipótese Imunológica - uma anormalidade do sistema imunológico poderia permitir que determinados vírus, direta ou indiretamente, atuem como desencadeadores do processo desmielinizante.

Diagnóstico

O diagnóstico da esclerose múltipla nem sempre é rápido, já que os sintomas se manifestam de forma branda e pouco perceptível. Apenas exames neurológicos e testes laboratoriais podem confirmar a doença: punção lombar ou exame do líquor, exame de potencial evocado, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Os sinais e sintomas comuns na esclerose múltipla são: 
-sintomas motores: espasticidade e espasmos reflexos, fraqueza muscular; contraturas, distúrbios de marcha e fatigabilidade fácil.

-sintomas cerebelares e bulbares: dificuldade de deglutição/respiratórias resultantes, déficit de equilíbrio e tremor intencional.

-sintomas sensoriais: dor, parestesias e distorção da sensibilidade superficial.
-sintomas visuais: diminuição da acuidade visual e diplopia.

- sintomas vesicais e intestinais: incontinência, retenção urinária e constipação.

- sintomas sexuais: impotência, diminuição na sensibilidade genital e na lubrificação genital.

-sintomas cognitivos e emocionais - depressão, euforia, estados emocionais mistos, instabilidade, distúrbios de julgamento, memória, diminuição do pensamento conceitual, diminuição na atenção e concentração.

- problemas e complicações secundárias: úlceras de decúbito, intolerância ao calor, diminuição da amplitude de movimento, contraturas articulares e alterações emocionais.

Classificação:
-EM recidivante com remissão: caracteriza-se por um curso de recidivas recorrentes discretas, entremeadas por períodos de remissão quando a recuperação é completa ou parcial.

-EM progressiva secundária – depois de um período de recidiva e remissão, a doença entra em uma fase em que há deterioração progressiva, com ou sem recidivas sobrepostas identificáveis.

- EM progressiva primária : tipificado por déficit neurológico progressivo e cumulativo desde o início.
 
Tratamento:

- Até hoje não se descobriu nenhum remédio que leve à cura da doença ou que estacione o quadro clínico. Por ser uma doença de curso imprevisível, muitas vezes um medicamento que parece prolongar o espaço de tempo entre um surto e outro, ou até mesmo amenizar os sintomas em outros momentos, não surte o mesmo efeito. Os medicamentos utilizados são: imunossupressores, interferons, ACTH (Hormônio Adreno Corticotrópico), e capaxone.

-O fisioterapeuta deve estabelecer os objetivos de tratamento para um paciente com esclerose múltipla partindo do princípio de que devemos ajudar o paciente a utilizar ao máximo as capacidades que lhe restam. As necessidades variam de um paciente para outro, sendo que essa variação se deve aos sintomas específicos apresentados pelo paciente e ao estágio evolutivo no qual se encontra a doença, indicando, portanto, que o tratamento fisoterapêutico deve ser individualizado.
- O fisioterapeuta pode atuar tanto na fase aguda (pós-surto) quanto na fase remissiva, tomando alguns cuidados. Na fase aguda, os exercícios devem ser mais passivos, as pausas de recuperação mais longas, os exercícios, objetivam basicamente, manter as amplitudes de movimento e evitar complicações secundárias, conforme a evolução, podemos adicionar exercícios ativos sem que ocorra muito gasto energético. Já na fase remissiva os exercícios ativos serão mais intensos, mas sempre intercalados por pausas de recuperação, de modo que não ocorra a fadiga, nem o aumento da temperatura corpórea.

O portador de esclerose múltipla necessita também de orientação nutricional adequada para que tenha uma dieta equilibrada e também de acompanhamento psicológico devido às alterações emocionais e de personalidade que ocorrem devido ao próprio desconhecimento da doença, pelo medo do surto, das seqüelas pós-surto e até mesmo por falta de um tratamento adequado que leve à cura da doença.

Intervenções Fisioterapêuticas:
Alongamento: A pesquisa em um pequeno número de pacientes demonstrou que o hipertônus muscular pode ser reduzido e a amplitude de movimento voluntário nos membros inferiores aumenta com o alongamento muscular (Odeen, 1981).

Exercício Ativo: Exercícios ativos excessivos ou de grande intensidade pioram o quadro geral do paciente, sendo indicados exercícios moderados, que associados ao alongamento melhoram as atividades funcionais, de equilíbrio e da vida diária.
 
Exercício Contra resistido: Em uma pesquisa (Russel e Palfrey, 1969) identificaram que indivíduos portadores de EM que realizavam exercícios resistidos com pesos sofriam deterioração acelerada.

Uso de dispositivos auxiliares de marcha: As órteses e meios auxiliares são indicados com precaução para indicar somente quando necessário. Buscando a estabilidade e a redução do risco de quedas ocorrerá menos apoio nos membros inferiores e perda de força progressiva em membros inferiores.

Hidroterapia, calor e frio Cada caso deverá ser analisado individualmente, por ex.: se o paciente apresenta déficit vascular com a água fria isso tenderá a piorar; o calor pode ser benéfico na maioria dos casos, porém poderá agravar a fadiga em alguns.

Estimulação elétrica: A EEN de baixa frequência pode ser benéfica em muitos casos como forma de tratamento coadjuvante a cinesioterapia ativa e alongamentos musculares.

- Abaixo alguns vídeos que nos ajudam a melhor entender a patologia e seu tratamento:









- Ao final dessa post quero deixar meu abraço a todos os postadores de EM, que Deus abençõe a todos, e que todos sejam vitoriosos na luta diária contra a doença. A Claudia Rodrigues, que ela volte rapidinho a telinha com a Diarista, e que ela possa contianuar nos agraciando com seu humor maravilhoso!

- Para saber mais: http://www.abem.org.br/

- Valeu galera, e até a próxima post!

Nenhum comentário:

Postar um comentário